FacebookYoutubeRSSPartilhar

PEOPLE I SAW BUT NEVER MET

Datas
19 Jun 2019 a 20 Out 2019
Chart?chst=d map spin&chld=0
Slideshow
  • Zadok foto 1  medium  1 1024 2500
  • Zadok1 1 1024 2500

A obra do escultor Zadok Ben-David (Bayhan, Iémen, 1949) é uma celebração da Humanidade. Apresentada em incontáveis exposições e materializada em monumentais projetos escultóricos de arte pública, um pouco pelo mundo inteiro, esta é, até hoje, a mais extensa mostra do seu trabalho em Portugal.
Como um projeto sem fim, a obra apresenta-se como metáfora da diversidade da população mundial. Ao todo são milhares de figuras humanas representativas da pluralidade de etnias, idiomas, tradições, culturas, religiões que marcam a heterogeneidade das sociedades que habitam o nosso planeta.

Assente no princípio teorizador da escultura no campo expandido de Rosalind Krauss, a aglomeração de mais de quatro mil silhuetas de homens e mulheres de todas as idades, ocupando por completo o chão do espaço expositivo, confere-lhe a dimensão de uma instalação site-specific.
Zadok Ben-David é um colecionador de instantes de vida. Cada escultura resulta do registo fotográfico momentâneo e quotidiano de centenas de desconhecidos com quem se cruzou ocasionalmente na rua, ao longo das inúmeras viagens que vem realizando pelo mundo inteiro, mas com quem nunca chegou a interagir. Sem o saberem tornam-se participantes acidentais desta imensa obra que agrega, aleatoriamente, no mesmo espaço, pessoas das mais diversas idades e proveniências.

No meio deste aparente igualitário conjunto de modelos genéricos ou tipificados, cada figura é única: carrega não apenas as características morfológicas que a distinguem das demais, mas também o cunho da sua experiência pessoal, da sua própria história.
A acumulação desta diversidade de pessoas sugere ainda as distintas maneiras pelas quais estamos sempre em relação uns com os outros e ao mesmo tempo tão alheados. Por isso, a obra é também uma metáfora sobre o isolamento e a comunicação.
Com um forte sentido teatral, as esculturas confundem-se com as linhas de um desenho, como se os traços se automatizassem da superfície ou tivessem saltado da folha de papel para o espaço arquitetónico. A areia que as ancora funciona como um terreno coletivo em que nos encontramos.

Realizada no âmbito do projeto “Terra(s) de Sefarad”, a atual exposição apresenta ainda o trabalho em vídeo Conversation Peace, realizado a partir dos mais recentes trabalhos e instalações do artista.

Curadoria: Jorge da Costa
Coprodução: Município de Bragança
Centro de Arte Contemporânea Graça Morais
Ideias Emergentes

Morada

Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, Bragança

Pontuação
Ainda não tem opiniões registadas
Total de Visualizações
62 visualizações

Sugestões